Feedback RADLA 2018

RESUMOS

Orientações médicas

Orientações médicas em dermatologia

Apresentado por: Keneth J. Tomecki, MD
Dept. of Dermatology, Cleveland Clinic, Cleveland, OH, USA

Nas mulheres, os antibióticos podem ser mais eficazes que os contraceptivos orais durante os primeiros três meses; após seis meses, o efeito de ambos é equiparável. Depois de três meses de tratamento, os antibióticos devem ser interrompidos (resistência). Algumas mulheres podem precisar de espironolactona devido a irregularidades hormonais. O risco de desenvolver hipercalemia é inexistente.

Apesar de se ter suspeitado de uma possível associação, não se demonstrou que o uso de isotretinoína aumenta o risco de colite ulcerativa (sem relação causal), mas que poderia diminuir o risco de doença de Crohn.

Aproximadamente 1/4 a 1/3 dos indivíduos pode ter a função lenticular e da retina afetada, razão pela qual é recomendável um seguimento oftalmológico nesses pacientes.

Por outro lado, foi observado que a suplementação de zinco pode ser recomendada, pois foram encontrados níveis baixos desse mineral marcador em populações de pacientes com formas tanto leves como graves da doença. O zinco foi proposto como um marcador provável da gravidade, duração e resistência ao tratamento da alopécia areata.

Foi observado um aumento da incidência de doença prostática com aumento do volume e da frequência miccional (sintomas de hiperplasia) em pacientes com alopécia androgênica. Também se observou que os pacientes mais jovens (30-40 anos) podem ter um risco mais alto de desenvolver câncer de próstata no médio-longo prazo. É recomendável indagar sobre possíveis sintomas como parte da avaliação de rotina desses pacientes e, eventualmente, considerar o seu encaminhamento a um especialista.

Foi observado um aumento moderado do risco de linfoma em pacientes com dermatite atópica. Depressão e ansiedade também são mais frequentes: a depressão chega a ser seis vezes mais comum em indivíduos com dermatite atópica comparativamente à população geral, enquanto que a ansiedade é até quatro vezes mais frequente. Quando a dermatite atópica se associa a outras alergias ou atopias como eczema, asma, febre do feno, alergias ou intolerâncias alimentares, deve suspeitar-se de deficiência de ferro. Este achado é especialmente importante em crianças e pode estar relacionado a um estado de inflamação crônica e/ou a nutrição deficitária. Por outro lado, a presença de níveis altos de cromo e cálcio na água (águas duras) foi relacionada com um aumento da probabilidade de desenvolvimento de dermatite atópica nas pessoas que a consomem (especialmente crianças).

Observou-se que os pacientes com vitiligo podem apresentar alterações lenticulares e anormalidades no exame do fundo do olho. Por essa razão, é recomendável o seguimento oftalmológico desses pacientes. Por outro lado, apresentam um risco mais alto de desenvolver síndrome do olho seco.

Em 50% dos casos associa-se a outras doenças como doença inflamatória intestinal (15-35%), artropatias (10-25%), hepatite, câncer, lúpus eritematoso sistêmico (com menor frequência), diabetes, obesidade e síndrome metabólica. Por conseguinte, é importante ter em consideração a alta morbilidade que os pacientes com pioderma gangrenoso podem apresentar devido às doenças associadas.

Foi associada a alergias alimentares e à exposição a outros alérgenos externos. Os estudos, porém, não confirmaram essa associação. Pode ser tratada com micofenolato de mofetila. O omalizumabe é um anticorpo monoclonal anti-IgE, bem tolerado, que se administra em injeções mensais e que demonstrou eficácia na resolução dos sinais e sintomas da doença depois de 12 semanas de tratamento.

Foi associado à dislipidemia com aumento de colesterol, triglicérides e LDL. Assim, é importante nesses pacientes o acompanhamento do perfil lipídico, especialmente nas formas generalizadas.

Também é acompanhado de dislipidemia com alterações nos níveis de glicemia, obesidade abdominal e aumento da pressão arterial que requerem controle e seguimento habituais.

Pontos relevantes

  • Dermatoses relativamente frequentes podem ser acompanhadas de morbilidade importante e predispor a doenças mais graves que devem ser suspeitadas e prevenidas na consulta dermatológica habitual.
  • Deficiências nutricionais, fatores ambientais e exposição ocasional a agentes infecciosos devem ser contemplados no diagnóstico e seguimento dos pacientes.


Principais referências bibliográficas

Conflitos de interesse: o palestrante declarou que não existiam conflitos de interesse relacionados com os conteúdos da sua palestra.

Elaborado por: Silvia Paz Ruiz, MD

Revisado por: Victor Desmond Mandel, MD


RESUMOS

Fotoproteção

Novos conhecimentos em fotoproteção

Harvey Lui, MD, FRCPC

Orientações médicas

Orientações médicas em dermatología

Keneth J. Tomecki, MD

Pérolas terapêuticas

Pérolas terapêuticas radicalmente diferentes

Theodore Rosen, MD, FAAD

Vacinas

Vacinas em dermatologia – 2018

Keneth J. Tomecki, MD

Zoonoses

Zoonoses: amigos ou inimigos de quatro patas?

Tammie Ferringer, MD

Alopécia

O que há de novo em alopécias

Dra. Cristina Serrano Falcón

Doenças infecciosas

O que há de novo em doenças infecciosas em dermatologia?

Keneth J. Tomecki, MD